Total de visualizações de página

terça-feira, 15 de janeiro de 2013


15/01/2013


Conversei com a Sra. Julinda, responsável pela Escola do Legislativo, sobre projetos que tenho para atividades científico-culturais a serem fomentadas naquele espaço da Câmara. Ela se mostrou entusiasmada com tais iniciativas, prometeu apoiá-las e viabilizá-las com todo seu empenho. Em breve então, iniciaremos uma programação que trará mais conhecimento para nossa cidade. Conosco, estavam o funcionário daquela Casa e seu parceiro na ‘Escola’, o psicólogo Heverton, e o vereador Ricardinho do Gás.







Recebi a visita do ex-vereador Emílio Marques dos Reis, que pediu atenção especial para os portadores de doenças renais, pedindo que seja respeitado e fiscalizado o cumprimento do Artigo 392 da Lei Orgânica do Município, que diz o seguinte: “O Município garantirá a assistência médica integral a portadores de comprovada insuficiência renal, hemofílica e Aids.”







Também, fui conhecer as novas instalações da Casa da Cultura de nossa cidade. Diante de algumas colocações que estão veiculando nas ruas, fui até o poliesportivo Pelezão, na verdade, em um prédio situado atrás do ginásio, que abrigará em breve, segundo informações ali prestadas, de um lado um posto da Polícia Militar, que funcionará 24h para atendimento ao público. E, vizinho a este posto, no mesmo prédio, estará instalada a sede da Secretaria de Cultura. Neste lado do prédio, que está sendo adaptado para este fim, vi três salas que desembocam num salão central, todas amplas, bem iluminadas e aparentemente protegidas contra intempéries da natureza. O acervo material da Casa da Cultura estava ali alocado, a espera de ser reorganizado em seus devidos lugares. Todo o material, dentro dos limites que nos cabem, estava sendo transportado com cuidado, e sempre que posso reparo no zelo que todo o pessoal da Cultura tem para manuseá-lo.

No mais, apenas questiono, como militante da área cultural, a devida importância que deveria ser dada à Cultura. É certo que nossos bens culturais imateriais têm valor incomensurável e têm outras formas de valorização, mas sinto crônica a disponibilidade de relegar nossos bens materiais a qualquer lugar que lhes cabe (o que não é culpa desta atual gestão municipal).

São freqüentemente erigidos templos para diversas manifestações humanas, religiões, esportes, casas que abrigam os poderes institucionais do Estado, e, poucas vezes, se constroem espaços dignos para abrigar a Cultura (Museus, Teatros, Cinemas, Escolas, Conservatórios, etc.).

Neste momento, a sede da Secretaria da Cultura está sendo transferida para deixar seu atual espaço para a futura sede do Museu Pelé. Isto me parece muito louvável e sinal de comprometimento com o desenvolvimento de nossa gente. Penso que é o que deveria ser feito. A Cultura só tem a ganhar com a aquisição deste Museu. É bem provável que logo teremos um local mais adequado para conservar melhor os bens ali guardados, quem sabe no próprio Museu. Além do mais, todo aquele acervo material estará, podemos dizer, 24h sob a proteção da polícia.


















2 comentários:

  1. Olá Maurício,

    Bom saber que a situação é menos alarmante do que se anunciou ontem à noite e é realmente lamentável que tudo esteja depositado em uma sala.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Oi Maurício, só o fato de levar todo o acervo para um anexo atrás do Pelezão já é muito preocupante com o futuro da nossa cultura. Não há como tergiversar sobre o assunto.

    Abraços

    ResponderExcluir