Total de visualizações de página

domingo, 27 de julho de 2014

AFE É SINÔNIMO DE PERSEVERANÇA E SOLIDARIEDADE

ASSOCIAÇÃO PROMOVE INSERÇÃO SOCIAL ATRAVÉS DO TRABALHO


A AFE – Associação Fraternidade e Equilíbrio há aproximadamente 30 anos (nem sua fundadora, MARIA HELENA Rodrigues Gomes de Macedo, sabe precisar a data), realiza trabalhos de inserção social através do trabalho, atualmente conveniada com o Ministério do Trabalho, implementa no município, juntamente com o SENAI e o SENAC, o programa federal MENOR APRENDIZ.

Maria Helena sobe e desce, serelepe, a escada que une os dois andares de seu prédio (o andar de cima construído com a ajuda da TOTAL, e o andar de baixo com a ajuda da PRÓ-VIDA), situado num amplo terreno no bairro Novo Horizonte, sem placa indicativa do lugar, mas muito conhecido pelos mais de 2000 jovens cadastrados que já procuraram sua ajuda. Foi ela que, juntamente com seu marido, Antonio Carlos Gomes de Machado (recentemente falecido), fundaram a Associação que hoje coleciona muitas histórias de vidas e sucessos: “hoje, muitas dessas crianças são pais, e já estou encaminhando também os filhos deles!”.



Maria Helena me abre seus álbuns de fotos e começa: “esse menino era terrível!”, e orgulhosa, relata diversos casos em que atuou preventivamente para, segundo crê, impedir o acesso à marginalidade. Logo que cheguei ao local, diversas pessoas a esperavam para pedir sua ajuda. Reparei num menino que preenchia uma ficha de cadastro, que no lugar destinado ao endereço residencial, ele respondeu: “moro com meu pai e minha mãe”.

No projeto MENOR APRENDIZ, o menor (entre 14 e 18 anos), trabalha quatro dias por semana em alguma empresa também conveniada, e estuda na AFE um dia por semana, em um dos dois cursos vigentes (Auxiliar Administrativo e Auxiliar Administrativo Bancário). Os menores recebem por isso meio salário mínimo e outros benefícios. Para isto a empresa custeia a AFE, isto é variável, mas regula-se entre R$100,00 ou R$200,00 (Banco do Brasil) ao mês, por criança que ali estuda. As empresas que participam são Coca-Cola, Contransin, Coopec, Eletrozema, Florimar, Heringer, Kerry do Brasil, Ótima Veículos, São Marco, Trectur, Rex Supermercados, Total, Distribuidora de Carnes São Gabriel, Zanatta, Gráfica Véritas, Lex, Ancianato São Vicente de Paulo, Hospital São Sebastião, Banco do Brasil e Unincor.

A procura é muito grande!”, ela diz, atribuindo esta condição à pequena oferta de oportunidades sociais aos adolescentes e jovens. Mas, percebi um grande espaço físico muito pouco otimizado, o que Maria Helena concorda comigo, já elencando diversos outros projetos que têm para o local, como a “Escola Padaria”, mas necessitando de incentivo financeiro e de pessoal para tocá-los. A AFE já ministrou diversos outros cursos como Carpintaria, Presponto, Sapataria, Horta, e outros, mas atualmente tem apenas esse curso de Auxiliar Administrativo.

Hoje em dia, além do pagamento que recebem das empresas, recebem também uma subvenção municipal mensal de R$2.804,00, e o aluguel de dois galpões instalados em seu terreno: “já recebi muitas ofertas por esse local, mas daqui eu não saio!”.


Sua obra é inspiradora e faz parte da história de nossa cidade! Ela me propõe que eu procure um de seus ex-alunos, Valdo, para ouvir dele a experiência que viveu ali. E lá fui eu conversar com ele!

Nenhum comentário:

Postar um comentário